De acordes, ou para que

Morre quem suas lutas oculta,ou cobre de inverdades as lutas dos que lutam,posto que se esgotanas pequenas covardias o queo sentido de lutar esvazia.Mesmo que rale a gargantaa retina, os ossos e a poesiao leal em si tem propósito,não sangra carne, sangra o que embota - Vai com tua alma de espadadar a mão aos... Continuar Lendo →

Oracular

Fina misteriosa afinaçãode rara costura única,o que se procura pode achar?e se achar pode querer?e se quiser vai se permitir? Estala o coraçãoa chama que não tremulapor refinada oraçãoo ouro se por na vida bruta. A profundidade dos encaixesnão é qualquer um que ocupa.Quantos sinais são necessáriospara chamar de verdade? Rendada lua crua,a prenda é... Continuar Lendo →

Paz-Ciência: Paciência

É certo que a noite descee turva em desertosob céu sem estrela,escurecer é para todos o acerto primeiro.É certo que saber-se só estremecee inexato e curto e que fenece - Não corra tanto, menino sem jeito,que correr não cura medo nem erro,correr é que é o defeito. Todo grão de areia se arruma até a... Continuar Lendo →

Em preto e branco

No pedregoso labirinto das doresdesencontram valores, desatam em sóso que se prende em miudezas por miudezasna não sinceridade dos duelos. O que quebra cabeçasdesencaixa por distâncias despropositadas:quem muito se estica, quem muito se amassa,quem muito silencia, quem com a fala massacra.No labirinto das pedras separadas ou atiradasa dureza temerosa se serve do viver na bordatorna... Continuar Lendo →

De Aceites

O lugar exato do que morre e do que nasce,do que dissolve e do que floresce:o aerado imperfeito fecundo da terrapor onde a água nos vazios penetra:Quem não se esvazia endurece;Quem não aprofunda não vive;Quem tomba, desmancha, transforma tem poder de entrega. De aceites é o caminhar.

Livre

O movimento que toda certeza dobrapara livrar aspereza e encontrar borda,corta fora a cabeça dos saberespõe farol no que toca o sentido;esvazia a cama de adormecer no velhopara fazer colchão na descoberta.Não se caminha para o que deveria ter sido,se goza ser o que é e que à vida dá motivo.

ROSA

Brilha na tinta da retinao que preenche de graçaao abrir do caminho.Conspirações do sagrado,porta de casa para o sentido,rendado laço curativo,rosário.Os passos que me trouxeramem contas circularesda escuridão me desviaram;Chegam etéreas mãos dadasno acordo da coragem.Ver com o coraçãoé como ouvir de olhos fechados:mar ao inegável.

Anos depois

Ainda que covardementea beleza seja feridapela voragem impiedosaou rasurada por enganospodres de falsos reis,ainda que a ingenuidade sangreperante abusos e assédiosde benfeitores malditos,é direito que volteque se tome de voltaa luz graciosa que os sentidos coloree que é própria.

Boom

Botar a vida no tromboneo sopro, o grito, o suor, o risodescalar os vazios antes preenchidos arrítmicosfazer contato tato tato ato.Brotar na boca o sompara não passar a vida de tromba na sombra.Botar o pulso no chãopara cortejar o que faz sentido.

Pérola

No mais profundo íntimo, a penetrabilidade:poeira do outro na condição das miudezas.A ostra que navega, não é só pérola,é de um todo inteira:rebola no seu interiorfarpa, pedra, abandono, frieza,de ralar, de ferir, de tirar proveito - e ainda assim miudeza:graúda pequeneza que bobeiamas que a ostra elabora a valor maiorpor ela.Perolada vai por si abertadona... Continuar Lendo →

Antídoto

O tempo puindo discursos muito enroupados,revelando não fronteiras de soldadosmarchadas pelo poder ou imagem ou espaçoreduzindo a pele a desértico nadana da naa daa naaa daaaautista eco ecolálicoáridoseco, disfásico, traumáticoe rotulado líquido, líquido esvaziado?corroendo o esqueleto dos sentidosnão lubrificando as articulações do sentimentopandêmico descontato, desmatamento,sarna de carência para coçar em solitárias…mas ela, cadê? Ninguém viu,... Continuar Lendo →

A ciranda das mãos separadas

No vazio circular do umbigo, tum,em errante compasso descasado repetitivoRonaldo sem olhar, sem ouvir, falando de si,Junia se esquivando de tudo que negue a fantasia, ca tum,Luís das feridas de todos debochando para se cobrir,Soraia desfilando textos humanitários desumanizando, ca tum,Lucas inventando intrigas por competição,Fabiana derramando desculpas para ferir, ca tum,Joana de fora com um... Continuar Lendo →

Respiro são: respiração

Doura o que refresca sentidos,burburineia bem-te-vis em canção unguento,reapruma as linhas para onde a correnteza desfila;por vezes o que o corpo precisaé água, silêncio, sentimento,e o mundo gira.

De rodar

A roda quando se esvaziaroda a noite da Joanaroda a solidão do Joãoroda a desesperança da Mariamingua como fecha um anodorme o coração peãono movimento que silencia,descostura os passos das pessoas,deixando em suspensão Sofia:cheio aceno de mão ao vazio,vazio burburinho de alegria no chãoaté que a roda novamente gire.

Azulare

Mar ao fundo, maréliberta, transformadada densidade do obscuroà suavidade abertado horizonte limpo. Água grande navegafarto céu de entrega,alto vai quem se enxerga,e se enxergando sabenem grande, nem pequeno,médio ao exatode beleza e imperfeiçõesinteiroao vôo profundo de encaixe.

Ler por dentro

Ser a alturada intençãocom verdade:lealdade. No amor a coroaaguando ourocom olhos limpospara os mistérios abrigadosque os soprosencontram e embalam. Ler com coerênciaas trilhas do sentimentosob a noite ou céu claro:lealdade.

Arsenal de miudezas: grandes valores

O segredo das miudezas está guardado no ventre de todos os fenômenos. Feito grão em grão se recolhe a sabedoria com humildade, e se devolve ao olho do recém chegado. Do broto à árvore, da floresta à folha, onde o rio leitou por baixo, ciclo a ciclo. O tempo de cada miudeza, cada miudeza e... Continuar Lendo →

Musicalmente

Acorde a acorde gotejaà dentro pelo espaçosmais profundosda pele, do corpo, por ondeuma sonoridade de esperançainunda no sentir e fecundaas possibilidades do peito.As notas pousam e voamno natural dos encaixespelo prazer harmônicode sons em cachoeira.

No Ar Vem

A dança da levezab e i j apara bem vero aroma brisadode bem quererpela pelede peso peladapara no bem serbeijo beijado chuvadode beijo voador molhadoflorescer.

Rito de Ser

Do vento, da brisa, de terra, de rio,em gota que transborda,em folha que derrama,no sopro escuro do úterona pele que o sol arde e tocaacontecer é o natural. Todo sercomo miniatura de mundocostura um vale entre montanhastranspõe o canto dos pássarosbrota água nova em passagemé barro, é florada, é som de árvore, é cristal.

Fronteiras Temporais

Quando o ano se encerracomo dedos que se abremdizendo: deixa,e outra mão de tempo se estendecomo promessa de bom tatochamando: vem,nada, nada do porvir se sabee tudo, absoluto tudo é possível também.Ao possuir em si a própria estradaa força que te move é leal em si?Quem caminha contigo a estradaatravessa a noite, a curva, a... Continuar Lendo →

Desbeira

Grão a grão das perdasempilhados em dunabloqueando o caminhoes co rre ram as costasfeito nó retirado da cachoeirapara onde a vidade sem bo cana boca do novo meio-diasem vírgula na asasendo na alegria casa. Parece precipíciomas é princípio,maré de ser.

A Força

Não brutaenraíza no desejo.Não fantasiosailumina pela inteireza.A força como é: força,vontade de ser em simorre, renasce,fecunda, parte,age na coragem,goza.E tudo se recria.

Na Íris do Infinito

O finito dentro do infinitocosturas suas curascomo quem trata longas tranças:paciência, aceitação, ternura.Dissolve o que puiu por não render,renova o que se valora por ser.Quando o céu tem seu canto para assobiarpenetra pela pele não só pelas orelhasescancara na janela do peitoe são todas as divindades falando à face: - a vida quer você.

Insights Itinerantes – 24

Entre o que sangra, o que faz sorrir e o que liberta, a natureza imponderável da vida que segue. A flor que brota no deserto, ao mesmo tempo que guarda da força a graça, rende no espinho o findável. Na fronteira onde a areia se encerra, a frente o horizonte náutico, atrás o horizonte árido.... Continuar Lendo →

Curandema

Unguento de vida:3 passos de coragem,3 punhados de verdade,3 doses de querer saber de si.Mexer com vontade até dissolver os espinhos, desmanchar a fé roubada,e em ponto de desejo estourar liberdades.Levar ao fogo da própria luz.Em compressa no peito e na testafazer prece ao curandeiro da floresta de dentro: Que a seiva se revelee as... Continuar Lendo →

Mini Crônica do Real 1

Eram dois fortes competidores. Um se engrandecia de suas dores. Outro se engrandecia de sua falta de dores. Disputavam em linha tênue revezada. Um forte demais por fraco. Outro fraco demais por forte. Veio uma forte tempestade. Enquanto os dois desmanchavam-se em poças lado a lado, passou um terceiro levando a frente algo que não... Continuar Lendo →

De Água Doce

No largo lagodo fundo peitogotejauma esperançade mansa mansidão. Gaga pulsaçãoem eco nadapela longa águade fonte na comunhão. O que é doce não seca.O que é de água segue.

Centrípeta

A graça é o ponto de encontro onde velho e novo não desbotam. Uma linha que costura o sonho com o possível. Uma força que realinha o fazer sentido. Uma onda bem no meio do horizonte da vida.

Desvalores

De vidro, porcelana, plásticoo vazio frio do pratocom caldo ácido de palavraricocheteia na fomede cesta básica do respeito.Um feijão, dois feijões, três feijõesna pressão, no gatilho do garfo,multiplicados no ronco do estômago,subtraídos a conta-gotascomo caça níquel devorando a vida.

La Vangoghcela Pandêmica

A crônica falta de poética espicha a mente que não pisca. Ser humano redescobriu o inseguro. Nada serve de prédio, carro, geladeira, rococó, praia, avião, saideira. Rápido retoma ao pó, a vida seca e lhe escapa. Ou por onde cisma, deixa marca. Mas ser humano enche as fantasias de desumanidade, bate pé mimado, veste sunga,... Continuar Lendo →

Declaratório em Miudezas 3

A forma dentro da formaou fora, desentortao embotamento da tez,se liberta, se recria, se abre a nova,pinta o respiro, planta brisa, anunciaem reflexo do sol entre as sombracelhas:o possível melhor no por vir. Abrir os olhos, dar-se a chance,deitar horizonte ao sentir.

NUDES DESPOP

Na face retorcida da esfinge que me habita uma princesa de sujas botas comemora todas as saídas de partida. Os cachos descabelados no espelho vermelho do lago da vida brinda a mulher de laço sem fita. Mundo, mundo, quem estará ao passo? E a quem na curva da estrada desponte: ⁃ Alto lá, venha apenas... Continuar Lendo →

Colírio

Quem não pode ver o feioe romantiza onde não cabe o belo,na acidez que a vista não revelaem eco se faz cego ego ego. Quem não pode ver a pedratropeça, não pole o que a vida pede,se repete se repete se repete. Deixa morrer o que não te quer inteiro,olha a pedra, olha o feio,olha... Continuar Lendo →

A Roda da Água e do Fogo

Para quem muito ou pouco aposta,a boa aposta é onde nunca apostou.Para quem rema sem fio o horizontea ilha é ponte, respirador.Para quem calejou de dorde aposta no vaziode meta sem lançade sonho no nubladoo abraço é o lugar mais macio.

Declaratorio em Miudezas 2

DECLARATÓRIO EM MIUDEZAS 2(crisebecken.com) Do lado de dentroos tamanhos reagrupampelas proporções da cura:nem um litro de venenovence uma grama de sinceridade,nem todas as espadasliquidam a verdade;todas as vezes que feriramquem seguiu em si ganhou a luta,cego é o covarde quea própria sombra na luz oculta,em paz o coração é asapara quem trilha como formiga. O... Continuar Lendo →

Da Vincela

Ao natural, sinuosamenterepletas de desejos, texturas,sabores, pêlose costelas(jamais feita de uma delas),tão unicamenteespaço própriode escolhas, cultivos, germinânciasdos quereres expressos ou a manifesto,tão completas.

Declaratório em Miudezas 1

No bico do sabiá, vento alto cruza o mar,chega à asa do bem-te-vi, vira salto amador,escorre em chuva pelas folhaspenetra a noite na terra,rompe em germinação dos quereresse abre pétala a pétalano sonho do beija-flor.

Receitas SOS 1

Se por lonjura de tempoa palavra é silenciada,logo se torna surda a percepção.Se por distração da distânciaos olhos cansam de procurar a mensagem,logo o inverno cala as pontes do tato.Então pega cada sentimento entaladoe cuida para que não se tornem pedra,coloque no verão dos expressos;se preciso for: gargareje o coração com canela.

Linhas Semitons 2

Nem toda areia cega o que é real sem depender da assinatura dos olhos, nem todo olho areia o que água pela força de ser em si. A força está para o sentimento assim como a copa está para a raiz.

No Natural

Desmancha a franja do céu sobre a grama,a folha do outono no inverno,o pincel do tempo nos tecidos.A musculatura flácida na terraacha veia de água incansável,descongela o coração adormecido por primavera.Ao natural tudo é mais poeticável.

Vráaa

Um filete de rio ácido escorria adoecendo as margens do entre-tato do entre-ser da epiderme com o mundo. A pele feito pétala escaldada no deserto se esquecia do que era, desbotava como nuvem. Mas... Moinhos de palavras e atos infecundam quando lutam contra a graça e a coragem, e infortúnios não perduram onde o pólen... Continuar Lendo →

Fractal

Repara que no respiro entre a noite e o dia no fechar e abrir da piscadela um rastro de universo se revela uma vida se recria. Pequena gota de orvalho deslizando na tez da manhã com um propósito a escorrer na vazia pauta tecelã, sou eu, é você. Sábio é ver com o sentido o... Continuar Lendo →

Quem mata a mata, queimada

A mata que incendeia o descaso, o violar da cadeia, a fumaça, o pesaroso alastro de uma ganância parasitária do sorver sem corresponder a fertilidade da água do subtrair sem respeito a pluralidade da terra. A mata violada pela ganância a fumaça pesarosa da preponderância o alastro do sorver da terra por subtrair no descaso... Continuar Lendo →

Passa-Ninho

Liberdade é casaonde o cantovoa alto no carinho.Ninho é onde o coraçãocasa com o assobio da vida.Lá no alto da florestaou no meio da cidadepassarinho é quem se constróicom sinceridade.

Esperança

Com um olho aberto, outro fechado, meia a luz, meia a sombra, entre o seco e a umidade as raízes bem plantadas, sem sequer a noite esquecer seu nome: reina a jovem Esperança. Ao ressoar de trovões e tempestades e com envergadura ter de dançá-los, ou ao queimarem áridas as destemperanças que o vento carrega... Continuar Lendo →

Canalha bom é o assumido

CANALHA BOM É O ASSUMIDO( crônica da série: Entre Homens e Mulheres) Em 1920, canalhice, aquela malandragem, aquele sabor machista, era aspecto de perfil dissimulado, sorrateiro. Através dele, o narcisismo frágil, o petisco quase sociopático de gerar engano como forma de conquistar e se nutrir, para depois se vangloriar da soberania do uso e do... Continuar Lendo →

CONTOTERAPIA – Ana Anda

Ana por muito tempo foi uma pequenina planta andante. Com as formas incertas, um aspecto de coisa pelo caminho. Porque não se achava em si mesma, perambulava procurando seu canto. Muitos que lhe passaram tentaram dar-lhe nome, caracterizar, prever infortúnios ou floradas. Mas nada daquilo lhe resolvia, tampouco alegrava. Por vezes sentou-se em pedra em... Continuar Lendo →

CONTOTERAPIA – Zé

Zé tinha a força do sol correndo nas veias. Movia-se indiscriminadamente como os ventos, sem freio. Vivia sempre a beira do incêndio. Na cabeça o fazer. Fazer fazer fazer. No ritmo do atropelo, como um vôo cego sem pausas, atravessava noites e dias, semanas, meses, anos, sem pouso em si. Sem pouso em si mesmo,... Continuar Lendo →

Conexões Comunicantes

(crônica da semana com cartoon. crisebecken.com) Julieta partiu em navio, Romeu em foguete. Nessa versão contemporânea o veneno foi tomar distância. Mas a questão era que essa distância se quebrava em nada quando um do mar, outro do céu se lembravam mutuamente ao olhar uma estrela. No coração dela, a cara de Romeu. No coração... Continuar Lendo →

Mansamente

Mar de céu A angular terra Navega leve Sobre sonhos quentes Invertendo sombra em semente Devolve a graça Alegra Oceano de ser ao coração ... m a n s i d ã o . . .

Café ao Mar

Um par de botas cansadas que desgaste completamente o solado até os pés ganharem a textura da areia e despidos possam dançar na borda de espuma que mareia. Melhor que bem calçado é bem amado. Melhor que a resistência aos desertos, a graça pareada de seguir pelas águas. O só por mais que estruturado não... Continuar Lendo →

Hibisco em Aquarela

Azulava o dia como borda de pétala orvalhado de renascimento, tamanha chuva e tempestade trepidada sobre a textura do casulo da lagarta, como mantinha pendurada o sopro de nova realidade? A força brutalmente delicada enovelara na minúcia da paciência resistiu a cada tempo em sinuosidade Abrir mão de velhas estruturas do rastejo lento, tornar-se nua.... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑