No cenário que encaixar

– Faz tanto tempo que a gente não senta pra um papo que eu nem sei por onde começo. Diz aí, e as novidades?

– Se eu bem te conheço e pelo o que tô vendo estampado na sua cara, melhor você me dizer o que é que tá acontecendo.

– Acontecendo? Sei lá… tanta coisa acontecendo e nada ao mesmo tempo.

– Você não tem jeito… pelo menos uma coisa continua igual, essa clareza sua de escuro.

– Ah, pára! Já vai mexer comigo! Já tô esperando, agora vai cantarolar a minha música… “quero como um cego tatear estrelas distraídas”… Sei não, depois daquele escuro escuro mesmo que passei um monte de coisa mudou de lugar.

– Tá me dizendo que agora você acha que tá tudo claro?

– Claro, assim claro, acho que descobri que nada nunca vai ser. Pelo contrário. É tanta ilusão que a gente descortina, e tanta peça que a vida prega e também que a gente se prega, ou se deixa pregar, que se passa a ficar perguntando: afinal, é isso ou aquilo?

– Hum, entendi. Só nunca imaginei que um dia você ficaria assim.

– Como?

– A rainha da coragem se converteu à batina do medo.

– Mas será que aquilo era coragem ou era cegueira? E isso agora, é medo ou foi o jeito que achei pra me preservar? Já reparou como tá esquisito por aí? A gente não sabe se o que o outro traz à frente é verdadeiro, se é só uma coisa que não mede o que causa, ou se é a gente inventando em cima do que não existe. Já viu como essa coisa de “cada um por si” tá beirando a sociopatia?

– Quem é o cara?

– Hã?

– Você tá vermelha!

– (…)

– Olha, a mocinha “tô nem aí” foi uma fase que você precisou vestir, saca? Não combina contigo. Não faz lé com cré.

– (…)

-Larga essa maldição de pé atrás. Achava que nada mais ia mexer com você? Há! Assim é você quem se engana. Lembra, você sempre falava sorrindo: o que importa é que eu paguei pra ver. E era linda assim. Então, ou! Acorda, ressuscita!

– Mas…

– Não pira, você era a primeira a perder a paciência com quem tinha mania de “mas”.

– Estranho, né?

– Ó, quebrar a perna faz parte. Cortar as próprias pernas não. Você era livre antes. Daquele jeito mesmo, desproporcionada, sem medida, do seu jeito. A gente muda, verdade mais que verdadeira. Aprende um bocado. Mas se trair? Quem foi mesmo que se jurou fidelidade e não teve medo de revirar tudo ao avesso?

– Nem sei por onde começo então…

– Tudo contigo começava pelo acreditar.

2 comentários em “No cenário que encaixar

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: