Desconstruções da Esfinge

 

Decifra-me ou…

calma, não devoro.

Não sem saber dos seus temperos,

só guardo à lingua o que me valhe o gosto.

Sei da fama, trituro aos dentes e cuspo em fogo

– apenas os que não me alcançam ou verdades escondem.

Mas decifra-me, há caminhos secretos que renovam forças

e a fé que ilumino é pimenta ao novo.

Posso mesmo ser assustadora,

minha chave porta os sábios do afeto.

Decifra-me. Pode ser que goste…

deram de dizer que sou doce.

Uma resposta para “Desconstruções da Esfinge

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s