Desconstruções da Esfinge

 

Decifra-me ou…

calma, não devoro.

Não sem saber dos seus temperos,

só guardo à lingua o que me valhe o gosto.

Sei da fama, trituro aos dentes e cuspo em fogo

– apenas os que não me alcançam ou verdades escondem.

Mas decifra-me, há caminhos secretos que renovam forças

e a fé que ilumino é pimenta ao novo.

Posso mesmo ser assustadora,

minha chave porta os sábios do afeto.

Decifra-me. Pode ser que goste…

deram de dizer que sou doce.

Um comentário em “Desconstruções da Esfinge

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: