Uma legenda em um “aff”

"Pois certas sensações deliciosas há das quais o indefinido não exclui a intensidade; e ponta mais aguçada não há do que aquela do Infinito"* Margeando a orla, sentada na pedra, um pequeno caderno de bolso silenciado sobre a perna. Há apenas uma surtez humaníssima. Render-se a si. A força do mar na murada é da doçura permissiva... Continuar Lendo →

paredes de panos amáveis

Não era engraçada, mas era uma casa. Uma casa de infância e amor abafado. Tinho cheiro específico, coisa guardada, e o barulho do tic-tac fazia a menina se sentir pequenininha, coisa abraçada na solidão dos livros no armário.   As paredes das histórias dos adultos, o chão de sinteco velho de dor calada, as grades nas... Continuar Lendo →

A tal 1a. pessoa

Foi sutil assim mesmo. E de tanto jamais me suporia à beira dos tragos do tempo. A caixa, abandonada anos na casa dos pais, pela irmã devolvida à mãos da dona, residia intocável há semanas logo aqui ao lado do pé.  Não a digo minha, muito embora seja. Tampa azul, duas chavezinhas penduradas, acrílico fechado, e dentro: pencas... Continuar Lendo →

Meninice Grande

"que o esplendor da manhã não se abre com faca" (Manoel de Barros) Escondido no lugar dos lugares do comum, tentando burlar o labirinto, o menino treina com seus sonhos. Nove, onze, treze anos... que importa? É um menino que pensando em um dia ser alguma coisa de gente grande, procura aonde pode ser grande... Continuar Lendo →

Giro-Alvo

Palo que lavra e autorga o instante libélula amável. Veja-me no tato rarefeito da intimidade, aberta nua, não despetalável. Ali entre o sono e o tato: mar desperto no hálito. Ali na borda do ir embora: ventar ir de encontro ao tempo em aguardo. Escolhas giram o eixo do liberto, dos que casam palavras.

Subversões mágicas

Foi ele bater à porta do florista, recebido por um ajudante, ganhou aos ouvidos: entenda as normas da casa, para esse tipo não há financiamento. Foi ela conferir a manhã no jornal do dia, na ausência de um caderno pôs-se a frente do jornaleiro, de brinde o dito: repara o tempo, não há classificados porque não... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑