Giro-Alvo

Palo que lavra e

autorga o instante

libélula

amável.

Veja-me no tato

rarefeito da intimidade,

aberta nua, não despetalável.

Ali entre o sono e o tato:

mar desperto no hálito.

Ali na borda do ir embora:

ventar ir de encontro ao tempo em aguardo.

Escolhas giram o eixo do

liberto, dos que casam palavras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s