Na sala do então

- é que eu só sei viver de combustão... - então de metamorfose em metamorfose há a combustão? - é essa coisa de mansidão quente. - então é um invernar por primavera? - talvez cansaço de pescador de outono... - então que querer é esse?! - uma verdade corajosa que acolha?...

Confessionário Simbólico no.1

Tenho para mim que determinadas faxinas que se faz na casa levantam certas poeiras de tristeza. Poeirinhas, nada grave. Uma frustração chicletada na porta dos fundos, uma perda quebrada no canto do armário, uma decepção escondida debaixo do tapete. Como todas pertencem a um tempo passado, não rondam entrem as paredes feito fantasmas... logo, uma dorzinha que haja ao... Continuar Lendo →

(…)

Uma joaninha na beira da folha. Uma menina no topo da montanha.   -se eu respirar um segundinho desentalo uma poesia.   Uma joaninha menina. Uma menina chamada joana.   (ar)   Uma leveza vermelha faz esquecer o enjôo de ser coisa grande.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑