Liberdade

Chorou até os olhos arderem de si mesma. e    s       c          o             r                r                   e                     u                              r e t i n a    a                                             f   o   r   a a mentira que por anos a cobria: desamores permitidos. Óculos. Quando foi mesmo que fez de um padrão sua moda? D-e-s-q-u-e-r-i-a. ... Continuar Lendo →

Do Ato de Entrelinhar – 3

Tempo Tempos Temos - Cris Ebecken (*Oração ao Tempo - Caetano Veloso) E cheguei ali, ou aqui, não importa onde, sem maquiagem nos olhos ou qualquer coisa nas mãos. A intenção era olhar nos olhos, e sentir fechando os olhos. Dança silenciosa que só comporta nos que vão com alma... "Tambor de todos os rítmos"... Continuar Lendo →

uma quebra e o inquebrável

Baguncinhas de vestígios de par restavam como que penduradas no sem sentido. Nunca se sabe o quanto duram ou para onde rolam os novelos de lã desbotados, como se o coração fosse uma criança desajeitada aprendendo a enrolar e a cortar a linha. Mas naquela tarde um sabor escorria diferente em seus movimentos e pedaços, como... Continuar Lendo →

o avesso do lado de fora

- é precipício ou fantasia? Distorciam a legenda os ecos dos medos. - não é abismo, é só profundidade... Era o que os olhos liam no espelho mútuo. - mergulho sim. Todo coração no fundo sabe ao que se destina. (e um mar alagou o corpo inteiro) - toda felicidade tem reino dentro, e próprio.

umas doses de sensata prolixia…

(quando o confessional puxa a bainha da saia) Um universo inteiro dentro do peito e uma dissolução no universo inteiro: se eu for dizer que sou alguma coisa, talvez uma gotinha de cor, uma micrúscula partícula de cor com a giganteza dentro do peito. E talvez por intuir esse meu percurso, há tempos me desaproprio... Continuar Lendo →

confidência de romanceiro

Morangos vermelhos pra língua na saliva dos sabores escolhidos entre dez dedos de toques macios. O  inverno dos quereres bem-vindos: sem vento de desafino a brisa é colcha de pele dos amores.   Assim... ninguém precisa de chocolate - escolha é a arte da colheita.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑