aguaria

Existem dias de dissolução:

silenciar o caos, desatar despropósitos, abrandar os atos,

discernir rios como quem separa joio do trigo:

sentar à margem, lavar o coração; roseiras tem espinhos:

curar as mãos. Observar o tempo do cultivo, desanuviar os quereres:

atuar sobre as próprias escolhas das vontades, bussular direção.

Consentir e não consentir. Jamais esperar, fluir.

Retornar a água, não reverberar as pedras dos passos, acreditar

no mar, deixar a dor nas cascatas, seguir sem permitir que te estanquem

sabendo perdoar, a dentro e a fora, os acidentes das formas.

Até refletir, do horizonte, o sol forte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s