Epifanias bem-vindas

Existe um ponto do caminho em que não há no que se fiar: nada para trás lhe diz de si, e nada a frente há no que se mirar. Neste ponto é como olhar a vida do alto da colina, linda e bem-vinda, com seu raio de percursos, todos eles desaguando no mar.

-Ê, pai, por onde quer que eu vá, cedo ou tarde chego lá…

-Ô, filha, tens nos olhos o rastro do peixinho…

Existe um ponto do caminho em que se dissolvem os desalinhos, e apenas a gratidão é o que há. O amor jorra em seu peito feito água que desenrola, e a única certeza é que tudo é exatamente como deve estar.

-Ô, mãe, enfim eu vejo meu reflexo nessas águas transparentes…

-Ê, filha, são teus olhos que se deixam clarear…

Existe um ponto do caminho, em que não há ponto no caminho, e os pés não se deixam em dúvida se pegar.

    

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s