Para não faltar prosa nem poesia

– Bem-vindo, seu moço, pode entrar.

– Não sei que ventos me trazem, mas sei dos ventavais deixados atrás.

– Ih, se vê nos olhos que seguem turvos mareados de temporais em alto mar.

– Vim só e marcado pelas desembarcações que tive que enfrentar.

– Somos sós, seu moço, eu que vivo de colheita e não de mar, por vezes chorei sobre a terra sem ter companheiro afinado no semear.

– Mas vejo teu solo fértil e seus olhos o reflete…

– Tive eu que aprender a me cultivar.

– Tenho minhas dúvidas se me valho como bom marujo.

– Me diga, seu moço, o que em teus temporais não pode aceitar.

E ele teceu suas conchas e ondas em suas narrativas de temporais. Ela levada por seus ventos de verdade, entregue que estava ao que se revelava vindo do mar, abriu seus bordados de pétalas e sementes. Tecidos e bordados que se encontravam entre refinadas linhas.

Ele entre sóis e mareios. Ela com um farol ligado na cabeça e um pensamento a circular: cego, pois bem, cego como eu em lavouras atrás, e bonito que só. Em algum ponto o pausou, respirou, e ousou um remo de terra:

– Então, seu moço, se acha muito cansado para aprender de colheita? Estarei eu muito despreparada para aprender de mar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s