A roda do mar sem beira

Quando aceitamos quem não veio

e aceitamos quem se foi,

aceitamos o passo da dança

e seus novos começos.

Quando aceitamos o que se fez

e aceitamos o que se deixou

deixamos de lado a dança

para ser fora da dor.

Quando aceitamos o não dito

e aceitamos o que se vivenciou,

saltamos para fora trança

e renascemos em flor.

Quando aceitamos quem somos

e aceitamos as ondas que se tentou,

soltamos a flor ao horizonte

e o peito em remo se lança ao que não se ousou.

* imagem: google imagens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: