A água mais quente

Era uma roda de amar muito maior que a beira,

uma ciranda de dois em pouso de doce cheio.

Era uma renda bordada entre nós

de um rio em leito inteiro.

Era uma flor trançada entre dedos, um mar de corpo e sossego,

uma graça de alegria cúmplice embolada entre os cabelos.

Um deságue exagerado e sem freio

tirando nossa vida do avesso, tão certo, tão primeiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: