Rito de Ser

Do vento, da brisa, de terra, de rio,em gota que transborda,em folha que derrama,no sopro escuro do úterona pele que o sol arde e tocaacontecer é o natural. Todo sercomo miniatura de mundocostura um vale entre montanhastranspõe o canto dos pássarosbrota água nova em passagemé barro, é florada, é som de árvore, é cristal.

Fronteiras Temporais

Quando o ano se encerracomo dedos que se abremdizendo: deixa,e outra mão de tempo se estendecomo promessa de bom tatochamando: vem,nada, nada do porvir se sabee tudo, absoluto tudo é possível também.Ao possuir em si a própria estradaa força que te move é leal em si?Quem caminha contigo a estradaatravessa a noite, a curva, a... Continuar Lendo →

Desbeira

Grão a grão das perdasempilhados em dunabloqueando o caminhoes co rre ram as costasfeito nó retirado da cachoeirapara onde a vidade sem bo cana boca do novo meio-diasem vírgula na asasendo na alegria casa. Parece precipíciomas é princípio,maré de ser.

A Força

Não brutaenraíza no desejo.Não fantasiosailumina pela inteireza.A força como é: força,vontade de ser em simorre, renasce,fecunda, parte,age na coragem,goza.E tudo se recria.

Na Íris do Infinito

O finito dentro do infinitocosturas suas curascomo quem trata longas tranças:paciência, aceitação, ternura.Dissolve o que puiu por não render,renova o que se valora por ser.Quando o céu tem seu canto para assobiarpenetra pela pele não só pelas orelhasescancara na janela do peitoe são todas as divindades falando à face: - a vida quer você.

Insights Itinerantes – 24

Entre o que sangra, o que faz sorrir e o que liberta, a natureza imponderável da vida que segue. A flor que brota no deserto, ao mesmo tempo que guarda da força a graça, rende no espinho o findável. Na fronteira onde a areia se encerra, a frente o horizonte náutico, atrás o horizonte árido.... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑