Insights Itinerantes – 24

Entre o que sangra, o que faz sorrir e o que liberta, a natureza imponderável da vida que segue. A flor que brota no deserto, ao mesmo tempo que guarda da força a graça, rende no espinho o findável. Na fronteira onde a areia se encerra, a frente o horizonte náutico, atrás o horizonte árido. Quem bebe água da fonte não retorna, aceita as qualidades do que cura e as desconexões do que se evapora. E assim tem o mar como destino, porque o único movimento fixável pela vida é o fluxo. A sabedoria é boiar com os dedos abertos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: