A fronteira

Puiu os calçados, abriu bolha,
fez calo, alcalinizou o que a vida deu de não,
gemeu, zangou, até chorou,
chegou a parar na beira a abrir mão.

O telefone sem fio da vida
não tem quem fale ao ouvido,
é zumbido alto, ruído,
vento sacudindo a conexão.

Seguiu…

Foi até a fronteira de si sem ver o mundo,
encontrou fronteiras no mundo sem ter a si,
farpejou desencontros do mundo e de si,
cansou.

Seguiu…

Em busca de uma bússola perdida
alcançou nova fronteira,
novos caminhos, novos homens,
e antes que tudo pudesse se repetir
ultrapassou sua própria porteira.

Porque era preciso seguir
e não haviam mais calçados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: