Jangadeiro

Velho dragão d’água, guru de aldeia distante, quando havia seca, chamava todos ao pé de solitária árvore e pedia que com sonhos bons a regassem. Certa vez José, que ali assim estava, derramou uma lágrima pensando no que sempre desejou e nunca concretizara. O dragão, embravecido cuspiu intenso mar ilhando a aldeia. Aldeão outro estupefato implicou:

– Mas se podia deitar tanta água, por que sempre fomos nós que com sonhos tínhamos que regá-la?

– É salgada! – gritou outro alarmado.
Indisposto o dragão respondeu em uma bufada:

– Um sonho enquanto desejado como possível é semente, é motivo. Um sonho quando dado como finado, ou fecha os olhos; ou se constrói jangada.


José sem dar uma palavra foi ao mar com um sonho nos olhos. A aldeia toda preocupada, voltou- se ao dragão novamente:

– Irá morrer José?


Dessa vez rindo como quem escuta uma piada:

– Tolos, é de pele gasta que se faz a coragem de ir ao encontro do amor que de fato encaixa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: