Quens em Quando

Quem enquadra não escuta. Quem muito acha, entende pouco. Quens em quando alguém julga por ótica quadrada o que a lente enxuga. Quem supõe não toca e quem não toca não sente. Quens em quando alguém se amarra à borda e a mágica do aprendiz não enche o copo. Quem muito esvazia, tole. Quem só... Continuar Lendo →

No sopro do carinho

A força é da singeleza do cuidar,  brutalmente delicada, se estende quem é, rega o outro como está. A força, tamanha, nada frágil de ressoar no gesto uma mesma verdade: amar é flor de variadas pétalas que por onde sua textura tange uma orquestra inteira se curva a tocar.

Pelo verbo acordar

Acordar: desentorpecimento dos castelos de areia, das zonas de conforto, do hábito de negar a própria alegria e crescimento. Liberdade das adjetivações tolas, críticas, das culpabilizações descabidas, da falta de escolha de escolhas. Porto do cais do verbo aprender. Despir de camarim, demaquilante dos personagens e idéias pré-concebidas que por afeto se acha que se... Continuar Lendo →

Com os pés no chão – 02

Duas motivações completamente diversas nos fazem não desistir. Ou a teimosia. Ou a verdade pessoal. Pela teimosia, estamos agarrados ao hábito. Pela verdade pessoal estamos entregues na coragem.  Tenhamos a liberdade de irmos pela verdade e caminharmos com o céu nos pés.

De esperança em terra

Dentro do amor,pra fora das bordas do ego, quando se é leal a si mesmo se é leal ao universo. Dentro do amor, quando se escolhe o sentido da verdade interna, se despoja os julgos e medos e se é livre à paz de estar honesto.

Derramamentos

Amor não é moeda de troca é verdade própria. Cresce onde não se espera,  derrama alheio a métrica. Amar acontece e ao universo devolve no que revela e transforma cheio em si mesmo,  sem doma ou beira: o amor é,  e amar já é bem completo.

Corriqueiras Alegorices 10

Alquimia é aceitar o vento que traz a pedra e não percebê-la como entrecorte da margem do rio. Sem pensar no que separa e no que não separa, a água se faz correr por si. Alquimia não é o polir da água sobre a pedra, é a água se manifestar independente da pedra, e cumprir... Continuar Lendo →

Convite Aberto

Há três anos desenvolvo um trabalho inovador para crianças com o propósito de autoconhecimento ao longo das faixas etárias. O objetivo é contribuir com a ampliação da percepção de si mesmo desde a infância, favorecendo a autoconfiança, a autoestima e a inteligência emocional. Este trabalho é desenvolvido no Instituto Ráshuah do Brasil. http://www.rashuah.com.br O Instituto... Continuar Lendo →

Autodeclaração universal

Eu não preciso defender o meu Deus para amar toda divindade, forma de fé ou ateísmo - eu sou o cético e o devoto. Eu não preciso das fronteiras das raças para amar todos os tons de pele - eu sou branca, sou negra, mulata, japonesa, albina, um arco-íris. Eu não preciso das bordas de... Continuar Lendo →

Para derramar…

Todo mundo conhece aquela imagem do copo meio cheio, meio vazio, e muito provavelmente já se viu percebendo " eba, vejo meio cheio", "porcaria, vejo meio vazio". Mas a grande questão é: olhar um completamente vazio e ter a habilidade de enxergá-lo cheio, transbordante, de possibilidades. Todo mundo também já ouviu, ou disse, "nascemos todos... Continuar Lendo →

Pós-sim-vez

Todas as histórias de amor são possíveis, sim, tanto mais os conceitos se façam diluíveis, e os rótulos, fórmulas, diagnósticos, esperas, estereótipos, se tornem não precisos; porque histórias de amor são simplesmente amor, não carecem da baliza da história, se fazem na medida que existem, têm seus silenciosos propósitos, não precisam dos códigos, não mendigam... Continuar Lendo →

por novos e melhores ciclos

- Papai du céu, - Que foi, minha filha - imagina - Eu pometu num mi iscondê dibaixu da cama Chora um pouquinho, de levinho, respira fundo, enche o peito, segura os dedinhos, continua: - Mesmo si o medo di tomá bonca fô gandi. Mesmo si achá qui num intendo. Mesmo si o monstu fô... Continuar Lendo →

para não poupar letras

eu, no seu lugar, me leria... porque eu já me escrevo e há em cada vírgula minha uma tentativa de tocar você - me ler seria: escrever entre as minhas linhas o suficiente de você (o suficiente para desescrever o precipício que separam nossas linhas). mas você está mais para corda que eu fico com os... Continuar Lendo →

umas doses de sensata prolixia…

(quando o confessional puxa a bainha da saia) Um universo inteiro dentro do peito e uma dissolução no universo inteiro: se eu for dizer que sou alguma coisa, talvez uma gotinha de cor, uma micrúscula partícula de cor com a giganteza dentro do peito. E talvez por intuir esse meu percurso, há tempos me desaproprio... Continuar Lendo →

cinco dedos de amor

Tenho apenas cinco dedos na mão e a vida um arco-íris... - não quero nem o mindinho fechado: nunca vi cor retida permanecer colorindo, é o sentido que ela impregna.   Só mesmo por algo muito feliz alguém tira a roupa para deitar na tinta... - e só será entendido por um coração sábio.   Porque o amor tem casa... Continuar Lendo →

dissoluta

O mundo é dos brutos e não vim para conquistá-lo(s). A brutalidade é velha surda, que mastiga a dentes cegos a realidade. Em nada me interessam os personagens, os que fantasiam egos ou mal usam espadas.   Por ser nua de vaidade me confundem, e o tanto de poeira levam no peito atrita a leitura das verdades: erguem... Continuar Lendo →

retalhos de um enloucrescer

Desilhar-se talvez seja deserdar-se dos arames farpados da linguagem ** Se as verdades não dialogam, esvaziam-se na forma dos nomes ** Na ilha dos controladores nascem todos sem orelhas ** A linguagem é a masmorra ou a alforria ** Silêncio é a lingua que escreve os lugares dos sentidos ** Não se afunda ilhas, assim... Continuar Lendo →

parar f(r)ases

                                                 Quanto mais me aproximo dos homens,           mais quero ficar perto das crianças.  Dois dedos esticados na mão lançada para cima : autos!  E um eco do peito, uma certeza: a pior fantasia é a adultecida,  é preciso despir enganos, colher raiz. Me dou o direito  como quem bebe alforria feito medicamento. Como o poeta: "não... Continuar Lendo →

a densidade das impermanências

tempo é uma fita (sim, dessas ultrapassadas e ainda assim usadas) uma fita irrebobinável ___ e mesmo que se saiba (grande besteira se supor saber algo) que segue a frente em continuidade . . . a questão é: não queimar a gravação (sim, o play é o tempo presente) -e amanhã? isso: irrebobinável .

(…)

Uma joaninha na beira da folha. Uma menina no topo da montanha.   -se eu respirar um segundinho desentalo uma poesia.   Uma joaninha menina. Uma menina chamada joana.   (ar)   Uma leveza vermelha faz esquecer o enjôo de ser coisa grande.

Giro-Alvo

Palo que lavra e autorga o instante libélula amável. Veja-me no tato rarefeito da intimidade, aberta nua, não despetalável. Ali entre o sono e o tato: mar desperto no hálito. Ali na borda do ir embora: ventar ir de encontro ao tempo em aguardo. Escolhas giram o eixo do liberto, dos que casam palavras.

Burla-Bula

Dias confissionais bulinam. Alguém tem reza forte contra o vírus dos insights desastrosos? Qual o santo dos sentimentos urgentes? Antibiótico. Streptococcus da presença multiresistente. Confissões perigosas. Que fazer com o que a vida revela escondido na pálpebra da querência? Vacina. Chacinar princípios naturais. Vidrinho rotulado do ser assado. O tempo é homeopático. Seu Doutor, não achei cafuné... Continuar Lendo →

Ano Par

Me avisaram: este ano tudo convergiria às missões das pariedades. Não tenho domínio disso. Creio saber quase nada. Mas a curiosidade é mesmo a louca da casa que sai de peito aberto em convites irrecusáveis. Com domínio ou não, sabendo ou não, com ou sem acreditar, a coisa PAR deu de cair de pára-quedas. E... Continuar Lendo →

À casa grande

Com toda liberdade do respeito, minha patroa, como a senhora é perversa, D. Poesia! Não perdoa uma bainha de tempo escondida na dobra da minha letra... fica quietinha ali guardada na espera de ser relida pra zombar dos meus tropeços nas suas esquinas. Me entrega, assim de bandeja, ao olho bobo bandido que é tanto... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑