Solo

Derramava um silêncio de desatar nós, nós que já fomos, nós que borramos sóis. Sois da cor a pétala que desfixou, por força da voz o só, o nó, o nós. E por tato da falta de espera cansou e retonalizou em pluma leve, dispersa, para além do nó.

Solfejos a Jorge

A embarcação adentrava noite. Na escuridão da direção, angustia na proa, medos em reflexos de orcas, tubarões, quem sabe monstros marinhos, dragões. Sofia tinha sonhos nas mãos, mas elas tremiam. Ali sozinha, tendo um mar inteiro de caminho, um horizonte no peito, a mente aos olhos lhe traindo. Era tanta água incerta a volta, que... Continuar Lendo →

A dança

No centro da paz dança o movimento. Todo o caos a volta se rende ao centro, a liberdade do ondular em fragmentos o que se desconstrói e se reconstrói dentro.

Curvas em si

  Muito além do que se vê, está guardado o que se pode achar. É essa cegueira de imagens, essa poeira espessa de quereres, e esse vento áspero de formatos que esconde o que se tem para ver. Esse vício de caminhos, essa fome de emoções e métricas, nossos paletós de enxigências e suas gravatas... Continuar Lendo →

Mareios

Ana já estava ali há mais de uma hora. Sentada no alto da pedra, camuflada com o canto da praia. Seus olhos haviam pairado e absorvido tudo que se extendia ao alcance. O cansaço nos olhos mesclado com o relaxamento do sol na água. Era como se todos os sons a ocupassem e diluissem ao... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑