Em Pedramento

Para o que não há poesia, já colocaria muito bem Adélia, a pedra. A pedra vista na descortina áspera da miséria que cresce nas ruas. A pedra ainda atirada, infelizmente, pelos que romantizam trabalho, romantizam merecimento, romantizam privilégios (e armas). A pedrada: a fome andando voraz pelas ruas. Pedro, saindo da terapia, que ainda paga,... Continuar Lendo →

Insights de Cabeceira 2

Na cartilha da árvore foram escritos aprendizados. Primitiva bruta refinada verdade, que egos agitados passam sem ver. Mas quereriam saber? Ou estariam por demais cheios? E se cheios, cheios de quê? Excessos afastam e separam pessoas, excessos de si dissolvem pontes, quebram receptividades, se tornam asperezas para o contato. Faltas afastam e separam pessoas, sobretudo... Continuar Lendo →

Mini Crônica do Real 1

Eram dois fortes competidores. Um se engrandecia de suas dores. Outro se engrandecia de sua falta de dores. Disputavam em linha tênue revezada. Um forte demais por fraco. Outro fraco demais por forte. Veio uma forte tempestade. Enquanto os dois desmanchavam-se em poças lado a lado, passou um terceiro levando a frente algo que não... Continuar Lendo →

La Vangoghcela Pandêmica

A crônica falta de poética espicha a mente que não pisca. Ser humano redescobriu o inseguro. Nada serve de prédio, carro, geladeira, rococó, praia, avião, saideira. Rápido retoma ao pó, a vida seca e lhe escapa. Ou por onde cisma, deixa marca. Mas ser humano enche as fantasias de desumanidade, bate pé mimado, veste sunga,... Continuar Lendo →

Conexões Comunicantes

(crônica da semana com cartoon. crisebecken.com) Julieta partiu em navio, Romeu em foguete. Nessa versão contemporânea o veneno foi tomar distância. Mas a questão era que essa distância se quebrava em nada quando um do mar, outro do céu se lembravam mutuamente ao olhar uma estrela. No coração dela, a cara de Romeu. No coração... Continuar Lendo →

Primeira Pessoa

Escrever em primeira pessoa, ou fixa nela, é algo que não faço há muito tempo. Não por seguir regra, não sou tão obediente quanto pareço. Aliás, a pessoa que melhor me definiu disse certa vez: sua desobediência sempre revelou sua lealdade ao sentido. Então, voltando, mesmo sendo pessoalmente circular e prolixa, resolvi hoje desobedecer o... Continuar Lendo →

Entre o Céu e a Terra

O caminho é múltiplo, circular. Entre a paz e a guerra, entre a dança e a inércia, o caos harmônico, a harmonia desorganizadora. Ergue muralhas quem não se dispõe ao movimento, e adormece. Promove ventania quem por domínio em lança se ergue. É próspero o que navega selecionando não carregar o daninho, o ácido, o... Continuar Lendo →

Em trânsito

Às vezes se vai pegar um ar e volta com o peito quadrado. Outras vezes, do caos, brota uma brisa oxigenada. Termômetro, meteorologia, qualquer coisa que mensure o inesperado, não existe. João passava dia após dia levando a vida na calculadora. Rita, na régua. Pedro, na balança. Ana, a conta gotas. Uma matemática falida, exaustiva,... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑