Desmato

Humano mundo na pira famintado contra-natural,árido, infecundo,farpudo atrito do um a umcapital;pesa o coração, o estômago,tem pressa de preço que a vida endivida,tem sede de terra, frieza de sobremesa,assim por isso descurativo.Por vezes dá mesmo preguiça,de difícil digestivoo humano de descuido que incendeiae devora achando que respira.

Contração

O dormente embrião de quem se foie não mais o é, inábil, desentendido,torto de pouco viver, pueril destemido errante,pesa quando se carrega, porque não se enterrapor se recusar a crescer. O estranho orgulho de quem o cultivaamarra um pé primitivo à tronco cortado,coloca em altar desejosas feridas:se atrofia. - Findar-se sem acontecer? Para nascer, é... Continuar Lendo →

Insights de Cabeceira 2

Na cartilha da árvore foram escritos aprendizados. Primitiva bruta refinada verdade, que egos agitados passam sem ver. Mas quereriam saber? Ou estariam por demais cheios? E se cheios, cheios de quê? Excessos afastam e separam pessoas, excessos de si dissolvem pontes, quebram receptividades, se tornam asperezas para o contato. Faltas afastam e separam pessoas, sobretudo... Continuar Lendo →

Insights de Cabeceira 1

Mesmo que vigore a moda de esvaziar significados e sentidos, mesmo que o raso desértico seja adorado, e o mundo pareça uma caça ao tesouro esquecido com a solidão como navalha fria, há de se fazer, mesmo que pequena, a revolução dos achados e encontrados que não desistem de remar à profundidade, mesmo que pouco... Continuar Lendo →

Em preto e branco

No pedregoso labirinto das doresdesencontram valores, desatam em sóso que se prende em miudezas por miudezasna não sinceridade dos duelos. O que quebra cabeçasdesencaixa por distâncias despropositadas:quem muito se estica, quem muito se amassa,quem muito silencia, quem com a fala massacra.No labirinto das pedras separadas ou atiradasa dureza temerosa se serve do viver na bordatorna... Continuar Lendo →

Livre

O movimento que toda certeza dobrapara livrar aspereza e encontrar borda,corta fora a cabeça dos saberespõe farol no que toca o sentido;esvazia a cama de adormecer no velhopara fazer colchão na descoberta.Não se caminha para o que deveria ter sido,se goza ser o que é e que à vida dá motivo.

De rodar

A roda quando se esvaziaroda a noite da Joanaroda a solidão do Joãoroda a desesperança da Mariamingua como fecha um anodorme o coração peãono movimento que silencia,descostura os passos das pessoas,deixando em suspensão Sofia:cheio aceno de mão ao vazio,vazio burburinho de alegria no chãoaté que a roda novamente gire.

La Vangoghcela Pandêmica

A crônica falta de poética espicha a mente que não pisca. Ser humano redescobriu o inseguro. Nada serve de prédio, carro, geladeira, rococó, praia, avião, saideira. Rápido retoma ao pó, a vida seca e lhe escapa. Ou por onde cisma, deixa marca. Mas ser humano enche as fantasias de desumanidade, bate pé mimado, veste sunga,... Continuar Lendo →

Declaratório em Miudezas 3

A forma dentro da formaou fora, desentortao embotamento da tez,se liberta, se recria, se abre a nova,pinta o respiro, planta brisa, anunciaem reflexo do sol entre as sombracelhas:o possível melhor no por vir. Abrir os olhos, dar-se a chance,deitar horizonte ao sentir.

Vráaa

Um filete de rio ácido escorria adoecendo as margens do entre-tato do entre-ser da epiderme com o mundo. A pele feito pétala escaldada no deserto se esquecia do que era, desbotava como nuvem. Mas... Moinhos de palavras e atos infecundam quando lutam contra a graça e a coragem, e infortúnios não perduram onde o pólen... Continuar Lendo →

TUI – ContoTerapia

TUI - ContoTerapia(crisebecken.com) Tui tinha um fio de alegria que sempre lhe escapava no bordado. Brigava com os dedos, se punha por vezes muito chateada quando o ponto enrolava, entortava, ficava com um jeito de desassossego. A moça queria tudo com excelente arremate, e por conta disso, o fio da alegria lhe escapava. Bateu um... Continuar Lendo →

Nu Natural

Faltava falar dos sentidos, da sensualidade do umbigo, do dedilhado nas costas, da chama entre barrigas, do peito esparramado, acolhido, das pernas trançadas, embaralhadas, do som respirado, impautável, de estar fundido. Dar voz a naturalidade do tocar sendo tocado tendo os olhos despidos. De resto, em meio a noite ensolarada, nada mais faltaria.

Salto

Buzinas, ruídos, tráfegos, vira e mexe lhe entupiam os sentidos. Desbotava, assim, como pétalas que pendem. Afogava no não ser, feito entorpecimento poluído. Quanto menos oxigênio no sentir, afogamento. Virava um carteado clichê, mímico de capas, etiquetas, sentado em praça pública, como quem só o tempo gasta. Indigesta cidade do reino do eu limitava. Até... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑