CONTOTERAPIA – Ana Anda

Ana por muito tempo foi uma pequenina planta andante. Com as formas incertas, um aspecto de coisa pelo caminho. Porque não se achava em si mesma, perambulava procurando seu canto. Muitos que lhe passaram tentaram dar-lhe nome, caracterizar, prever infortúnios ou floradas. Mas nada daquilo lhe resolvia, tampouco alegrava. Por vezes sentou-se em pedra em... Continuar Lendo →

Eram minhas

Eram olhos de brilho intenso, degustação de traços, trejeitos, graças. Era olhar de apaixonada, derramando descoberta, contornando o outro com os sentidos. Ótica de maresia, inundando melodia com o coração de oceano. Suspiro. Como ventos sempre sopram, a névoa destece, a realidade se mostra com todas as ranhuras de pedra. E o outro ali, nu,... Continuar Lendo →

Desdobra

- Vê, meu filho, como esse mar transborda. O menino pequeno, com os olhos atentos, roçando o pé na areia, com algum estranhamento: - Tem borda? - Só olha. - Ó a gaivota! Ela entre a brisa e o peito doendo: - Você vai crescer e ter que ensinar um dia seu filho a ver.... Continuar Lendo →

Decifra-te

- Leve suas sementes por toda a travessia. No percurso aprenda sobre o processo delas. Atravesse o vale dos medos errantes. Seja tolerante as suas quedas. Prossiga. Ao norte de teu sentido, encontrará solo fértil. Então plante. - disse-lhe a esfinge ao invés de "decifra-me". Ela ouviu sentindo o calo das dúvidas apertarem a garganta.... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑