Imperfeição

Carambolas estreladas, sinos, perfeições, no para sempre garantido de era uma vez inventado algum perdura ao coração. Bom é o que toca em verdade, o equilibrismo das imperfeições, o contato, a coragem de dois que sustentam a dança por ser ali onde mora a vontade (e a verdade). O sol nasce na janela da aorta... Continuar Lendo →

Para Curar

Perdão é um pote de remédiopara uso prolongado,nada de gotas, colheradas.Digestivo. Alcalinizante.Laxativo. Calmante.Serve para tudo,sem efeito colateral.Camomila na ferida mais profunda.Arnica para o coração.Uma plantação de novas sementes na mente,a curar a leitura enviesada.Rico assim, é filho de duas rimas simples,mas nada pobres:aceitaçãogratidão.

Versos de Isolamento – 2

Areia e vento na aspereza da matéria,pulsando a aorta, roçando a pele.Feito semente nas transições da terra:do difícil a beleza brota,por caminhos invisíveis a água jorra.Entre o quente e o frioa existência nada morna.Feito cacto no deserto que ainda assim floresce,segue acesa a chama:a minha, a tua, a nossa.

Essência

Pano algum cobreo que dá tatoao que significa a vida.Dor alguma encobreo amor impresso na pele.Quando o frio descostura laçosainda há memória e célula.Rico é ser sol nascentena morada do outroque enluarado bordao renascimento da matéria.

Do que deserta

Lançou-se à água em tiro insensato de quem quer ir de uma borda à outra no mais rápido traço e desconsidera que no meio do trajeto quando não há garantias a mente libera tubarões e baleias contra si mesmo. Turvo de espuma e medo no redemoinho escuro do peito brigava com a água.   Ah,... Continuar Lendo →

Sem tato

Acontece da sombra de quem se amou acordar com os pés enroscados, sentar no sofá de manhã, tecer uma prosa silenciosa entre goles de café. Não era para acontecer, mas acontece. Entra por brechas, por rastros, por lacunas não preenchidas de alguma falta de verdade, alguma incoerência nada modesta, ou mesmo de uma mentira muito... Continuar Lendo →

Do essencial

Tecituras de areia são beiras de espuma: desmancham, se rearrumam. Onde começa e como findam, muito pouco interessa. De água é o que penetra e fecunda desmargeando na nudez da vida. Interessa então o que esparrama, que por engrandecer é livre, par de asas assincopado na escritura uníssona que costura o existir entre o céu... Continuar Lendo →

Pequenas epifanias em acordes 2

Derrama nota a nota no paralelo das cordas os acordes que acordam o arco entre o sentido e o toque a transpor a uma vibração maior o que harmoniza e retonaliza a vida. Viver é uma canção.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑