A vida é um rabisco

Sem borracha nem régua, dura a largura e altura de uma página, onde cada um preenche ao seu próprio passo e compasso. A cada traço, uma porta nova se abre, quem sabe para uma curva, quem sabe para uma melhor definição do desenhado. Uma folha, não uma tela. Não irá para exposição, não participará de... Continuar Lendo →

Do yin, o pulso

Quem te ensinou que o afeto se expressa pelas formas brutas, te fez deserto. Não vá por aí semeando cacto, contando que flor se abra. Não cobre boas regas quando o que cultiva é força sobre o outro. Não fale de jardim se é abusivo com a terra. Ignora que a natureza se restaura em... Continuar Lendo →

Conselharinho

Onde não puder cantar, não pouse. Se asas não forem possíveis de dançar, não perdure. Que combustível para a chama da alma de passarinho, é a liberdade dos vôos integrados. Repara que o ninho é a mansidão do céu, galhos quebram, árvores caem. Onde não puder ser com integralidade, passe. Ao sinal de dedos ásperos... Continuar Lendo →

Do verbo Desabrochar

A flor que desabrocha segue a rota assimétrica de seu próprio tempo. Fora de catálogo, não cabe aos dedos que a forçam, não agrada muitas vezes aos olhos, parece estranha aos quereres. A flor que desabrocha é generosa em sua própria trajetória, oferta como pode, vence a aspereza da noite sem nada buscar em troca.... Continuar Lendo →

Prosa Sinestésica

Um raio de sol escorria pela testa, ondulava nos olhos, piscava os pássaros no céu no leva e traz de respostas. Saboreava a brisa como quem bebe gota a gota um prazer de laço, afago dos sentidos. A noite não reviraria dúvidas, havia um sol embarcado, bússola no peito preenchido, verão no tato do inverno.... Continuar Lendo →

Prosa de conselho contado

Um reino de sentir e sabores, guardado, trancado, negado como parte, míngua de seiva e tonalidades a vida. Ser em si sua mais frondosa árvore, não é perigo, nem pecado, é o gozo do íntegro. Nutrir de si por se permitir crescer a partir de suas próprias sementes, é a entrega ao prazer mais genuína,... Continuar Lendo →

(Des)Silencie

Tinha no peito uma coleção de espinhos enrolados em arame farpado. Os olhos carregados de silêncios e sombras. Palavras, palavras de sol bem regadas são tão necessárias, para que possa destecer a dor que estendeu de dentro a quem ousou amar e caminhar com você.

Peito Cheio

A maré subia, tudo a volta era som de mar quebrando alto. Um caos marítimo se revelava, trazia conchas, espantava peixes. Olhou a volta, o peito apertado. Parecia seu próprio reflexo a agitada bandeira vermelha. Esticou as costas na areia que parecia carregada de pedras. Adormeceu olhando gaivotas, desejando os olhos mais leves. No sonho,... Continuar Lendo →

Do tato

O menino sozinho na beira, as mãos tentando moldar e reter bola de areia. Os grãos distraídos escorrendo dos dedos, as ondas rítmicas os engolindo. Não se molda em areia, seu menino. Se esculpe no trato, no dedilhado, em barro. Mas até o barro racha frente a gesto descuidado. Era um sopro de brisa ao... Continuar Lendo →

Dicionário da Mutualidade

AFETO: no acolher, ser afetado e afetar no contato. CUMPLICIDADE: ser uníssono na vivência, na troca, laço. AMIZADE: ser banda no sol ou na tempestade. PAR: a arte de somar, sem borrar, afeto, cumplicidade, amizade. GRAÇA: uma sopa das quatro palavras.

Latitude

Eram dois passos de distância entre a verdade e a incoerência. Um ponto ao centro em mapa escorregadio guiava o movimento de olhos fechados. Era o tato, um feeling sutil, uma brisa de sentimento bussolando o movimento. Ao final, tinha tudo e não tinha nada. Nem marca de quimera, nem toque de angelical asa. Havia... Continuar Lendo →

Do ato de entrelinhar 4 – Drummondiamando

"Amor é privilégio de maduros Estendidos na mais estreita cama, Que se torna a mais larga e mais relvosa, Roçando, em cada poro, o céu do corpo."* Amor é privilégio dos que se desagarram dos textos, da matemática de encontrar em linhas retas, essas mesmas que nos separam de seus encontros. Porque amor vem da... Continuar Lendo →

A Porta

Um dia o homem inventou a porta. Aprendeu e ensinou a colocar dentro dela o que lhe importa. Porta pequena. Porta suntuosa. Porta larga, grossa, pesada, com tranca, engradeada, porta. Porta, ainda que moderna, atual, medieval. Nosso princípio dos nãos, nossos avisos limítrofes. Não sei nada da verdadeira história das portas, e esse texto a... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑