A Parede das Realizações

Já passara por cima diversas cores, e no engano do não lixar, a preguiça sobrepunha espessas camadas, até os olhos enxergarem cansaço e as mãos pulsarem medo dos estragos. Um fio de palavra conduziu a pausar e

respirar por um segundo observando a parede. Malditas exigências brutas de massas!, vinha à cabeça. Mas o fio de palavra ouvida-guardada pedia que melhor observasse. Contemplando a própria respiração, soprou fora os pensamentos duros, e feito quem talha com os sentidos viu a parede completamente branca.

 

Um espelho! Um espelho! Por deuses! Como foi que inventei tanta tinta de desejo não-verdadeiro?!

Como núvem que dissolve, uma clareza vertical decodificava a parede em horizonte. Como quem entende ao natural, sem custo penoso de pensar, estava ali, feito quadro pendurado, o fio de entendimento que sempre lhe escorregara. Sentiu precisar reter aquilo dentro, encaixar corpo e sentido, vivência com sentimento.

A parede das realizações só poderia mesmo ter seus andaimes no jardim interno. O norte de verdadeiro caminhava para aquela palavrinha coerência, que tanto gostava, e que no impulso de segurar corriqueiramente quebrava. Pois vinha adornando sua parede como se fosse o muro que resguarda um castelo, com projeções das mais velhas-modernas tecnologias.

Mas a parede das realizações tem por essência ser alicerce e espelho. E naquele momento o reconhecimento da única que verdadeiramente lhe cabe às feituras…

Os tijolos da sua não eram de barro. São feitos de sementes.

3 Respostas para “A Parede das Realizações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s