Para o tropeço da distância

Tem dias que gerenciar uma saudade

é do departamento das coisas inadministráveis.

Dizem que ao que não há remédio…

ah, deixe me cá com minha saudade,

que remédio o que para o que me é sagrado!

Fico eu com minha saudade

enquanto a presença me vier ventada que

a alegria é sem borda onde

até nas pausas há reciprocidade.


* fotografia cris ebecken 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s