Hibisco em Aquarela

Azulava o dia como borda de pétala

orvalhado de renascimento,

tamanha chuva e tempestade trepidada

sobre a textura do casulo da lagarta,

como mantinha pendurada o sopro de nova realidade?

A força brutalmente delicada

enovelara na minúcia da paciência

resistiu a cada tempo em sinuosidade

Abrir mão de velhas estruturas

do rastejo lento, tornar-se nua.

Aceitar sem espera o destino do vento

e na escuridão dos pesadelos relampejados

transpor o estado a outro

sem deixar destroçar-se em nada.

Para cada gota de passado, a liberdade das asas,

para cada textura de dor, a cura pela suavidade,

mesmo que o coração gire feito um catavento

a vida primavera no novo, e acontece.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: