Colírio

Quem não pode ver o feio
e romantiza onde não cabe o belo,
na acidez que a vista não revela
em eco se faz cego ego ego.

Quem não pode ver a pedra
tropeça, não pole o que a vida pede,
se repete se repete se repete.

Deixa morrer o que não te quer inteiro,
olha a pedra, olha o feio,
olha o que fere fere fere
e desata o nó com o ego alheio
o eco subserviente com o vazio do elo.

Um comentário em “Colírio

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: