Fronteiras Temporais

Quando o ano se encerra
como dedos que se abrem
dizendo: deixa,
e outra mão de tempo se estende
como promessa de bom tato
chamando: vem,
nada, nada do porvir se sabe
e tudo, absoluto tudo é possível também.
Ao possuir em si a própria estrada
a força que te move é leal em si?
Quem caminha contigo a estrada
atravessa a noite, a curva, a névoa
sem perder o coração do contato?
Quando um ano futuro abrir os dedos
e outro a mão estender, por quem
terá posto à coragem sabendo
que mesmo no escuro não há sem?
Há de se saber guiar-se
há de se saber acompanhar:
essa é do tempo a matemática dos duetos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: