Sem pauta de acaso

– Sorte a minha, azar o teu – pensava ela.

Redigiu: azar meu, sorte a sua eu mudar a órbita da linha, da rara costura, da plácida verdade que derramava.

– Não, sem lágrima derramada – murmurou entre o lápis e a borracha rasgando o papel.

Respirou fundo, fechou o caderno empurrando de lado. O caderno lá, a olhá-la.

– Droga! – reabriu o caderno – onde estava mesmo aquela página… aquela, aquela daquele dia, eu não estava errada. Achei.

Na leitura, na letra não borrada: ainda bem que a sorte nos escolheu.

– Sem sorte, corta – puxou outra página, limpa como os olhos agora estavam.

Letreou metricamente: a vida aconteceu. Sileciosamente disse obrigada, acomodou o caderno para nova página e liberta deixou cair a lágrima.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s